Makoto Shinkai, o novo Hayao Miyazaki ou…?

Tudo começou quando eu esbarrei nessa matéria, que comparava o trabalho do roteirista, diretor e dublador japonês Makoto Shinkai com o do já conhecido Hayao Miyazaki (Inclusive já tem gente fazendo enquetes “Hayao vs. Makoto” em alguns lugares da internet, o que para mim é bem besta, mas enfim). Como eu conhecia menos do que deveria sobre ele e sou fã do Miyazaki, decidi pesquisar.

Makoto Shinkai

Makoto Shinkai

Não é só na matéria em questão que o Makoto tem seu trabalho comparado com o do mestre, aliás. Vários setores da mídia japonesa e internacional dão esse “título” ao diretor que começou sua carreira com Other Worlds em 1997 e que tem seus principais trabalhos feitos no estúdio CoMix Wave. Seu filme favorito é Laputa: Castle in the Sky, do próprio Hayao Miyazaki.

– EU ASSISTI
Dois jovens que se amam amigos próximos separados pelo espaço. É com essa idéia central que Voices of a Distant Star começa.
É um OVA dramático que se passa num futuro não tão distante onde uma garota do ginásio chamada Mikato Nagamine é recrutada para fazer parte do Exército Espacial da ONU numa guerra contra os Tarsians, um grupo de aliens que foi encontrado em marte. Após Mikato partir da Terra, sua única forma de comunicação com seu amigo Noboru Terao é por SMS. E é aí que o drama se instala, já que cada SMS é enviada de um celular para outro na velocidade da luz. Ou seja, se os dois estiverem a dois anos luz de distância um do outro, a mensagem demorará dois anos para chegar ao destino.

Voices of a Distant Star

Voices of a Distant Star

Enquanto muitos animes por aí não apresentam muita coisa substancial em 25 minutos de duração, Voices faz você realmente sentir o drama dos personagens (aliás, no OVA só são apresentados dois personagens, a Mikato e o Noboru) e viajar pra outra realidade nesse mesmo período de tempo. É possível sentir principalmente o sofrimento da Mikato, que demonstra várias vezes que tudo que ela quer é voltar pra terra.

Enquanto assistia, por algum motivo eu lembrei de Saikano (um prato cheio para quem gosta de drama) várias vezes. A animação não é das melhores, mas se você considerar que o OVA foi feito pelo Makoto Shinkai em seu computador pessoal com pouquíssimos recursos financeiros, é muito admirável. Por se tratar de um anime curto, não tem cenas desnecessárias e não sofre com problemas de ritmo em nenhum momento. Sem dúvidas uma história que eu recomendaria a qualquer um (que tiver amor no coração).

The Place Promised In Our Early Days (ou “Beyond the Clouds, the Promised Place“, no original), tem uma hora e meia de duração e diferentemente de Voices of a Distant Star que foi feito independentemente pelo Makoto, uma maior participação do estúdio Comix Wave é visível já na qualidade da animação que é infinitamente superior. Na história, que se passa no Japão em uma realidade alternativa, em algum momento nos anos 70 o país sofreu um processo de separação. As duas ilhas principais foram ocupadas pelos Estados Unidos e a ilha ao Norte, onde fica a província de Hokkaido, foi ocupada pela “União”, que a rebatizou de “Ezo”.  O filme conta a história de três amigos que estão sempre juntos. Dois garotos, Hiroki Fujisawa e Takuya Shirakawa e uma garota, Sayuri Sawatari. O presente da trama se passa em 1996.

The Place Promised In Our Early Days

Os dois garotos encontram um Veículo Aéreo Não Tripulado da Maritime Self-Defense Force (“Força Marítima de Auto-Defesa”, a Marinha japonesa) acidentado, ao qual eles dão o nome de Velaciela e decidem reconstruí-lo para que um dia possam cumprir a promessa que fizeram entre eles de voarem até uma misteriosa grande torre que fica em Ezo, esta tem um tamanho tão absurdamente grande que pode ser vista até mesmo de Tóquio num dia de céu aberto. Porém, eles desistem de seus planos quando Sawatari misteriosamente desaparece e após isso o grupo se divide por completo. Cada um segue com sua vida e seus dilemas pessoais durante o segundo terço do filme. Claro, a coisa não fica por isso mesmo e o último terço do filme é magistralmente executado.

The Place Promised In Our Early Days

Falar dos aspectos técnicos de The Place Promised in Our Early Days é difícil. Apesar de ser um filme lindo e que, novamente, tem uma carga emocional enorme, a quantidade de cenas “desnecessárias” que quebram o ritmo da narrativa é relativamente grande, o que acaba prejudicando um pouco a qualidade geral da obra. Mas no geral, é um bom filme. Bom.

Ah, a cereja do bolo. 5 Centimeters Per Second é uma compilação de três histórias curtas, The Chosen Cherry Blossoms, Cosmonaut e 5 Centimeters Per Second. Todas as três histórias tratam sobre a vida dos personagens principais em diferentes momentos de suas vidas. Em primeiro lugar, sugiro um estoque de lenços a quem for assistir.

The Chosen Cherry Blossoms: Conta a história de dois estudantes chamados Takaki Tono e Akari Shinonahara que se tornam amigos assim que Akari é transferida é transferida pra mesma escola do Takaki. Devido a interesses similares, eles se tornam muito próximos e crescem juntos. Quando Akari completa o primário, ela tem que se mudar por causa do trabalho dos pais mas continua a se comunicar com Takaki através de e-mail. Porém, eles acabam se distanciando…

The Chosen Cherry Blossoms

~*Cosmonaut*~: Sim, em negrito, vermelho e com todo o fru-fru possível. Para mim, a melhor obra do Makoto Shinkai, mesmo sendo uma história tão curta. Lembram dos lenços que mencionei antes? É aqui que eles entram em ação. Nesses vocês vão chorar. Bom, eu chorei. E o dia 6/11/2011 (quando assisti) vai ficar marcado como “O Dia Em Que Anne Chorou”, porque fazia muito tempo que não chorava com um anime.
Takaki, agora no terceiro ano, é amigo de Kanae Sumida. A mesma é apaixonada por ele desde que se conheceram no ginásio mas nunca teve coragem de se declarar e Takaki parece não tomar conhecimento dos sentimentos dela e apenas a vê como uma boa amiga.
O Makoto aqui retrata o dia-a-dia de uma forma simples, mas com uma beleza fantástica.

Cosmonaut

5 Centimeters per Second: Uma história bem curta. Takaki (ele de novo) é um programador em Tóquio e acabou de se separar de sua namorada. Um dia caminhando na rua ele encontra uma pessoa parecida com Akari (lembram dela?) na rua, o que o faz refletir.

GERAL:
5 Centimeters Per Second é decente. Claro, durante a maioria do tempo é um Slice of Life (muito bem executado) com plano de fundo romântico (muito bem executado, também), o que pode não agradar muita gente. O jeito que o Shinkai mostra a adolescência e os dilemas que uma pessoa pode passar por essa fase é  tocante e o modo que ele aborda os sentimentos humanos é algo que você não encontra o tempo todo por aí. Isso, combinado com a animação impecável e uma boa trilha sonora tornam o filme um “must watch” para qualquer um que não viva de sangue, lutas e batalhas épicas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Makoto Shinkai, o novo Hayao Miyazaki? Não. Assim, bem diretamente. Esse título não passa de demagogia midiática, que adora arranjar substitutos para alguém que já está num determinado nível há muito tempo. A abordagem dos diretores aos sentimentos humanos e ao mundo em si é bastante diferente. Enquanto o Hayao se foca muito em fantasia, aventura e usa da tecnologia steampunk, o Makoto se foca no dia-a-dia, no nosso tempo atual ou no futuro. E temas de ficção científica estão presentes em quase todas as suas obras (das mencionadas, que foram as que eu assisti, ao menos). Mas, sem dúvida, ele é um diretor que merece atenção. Children Who Chase Lost Voices from Deep Below, sua obra mais recente, está para ser lançada em Blu-Ray no Japão esse mês (dia 25) e eu  ficarei no aguardo. Esse filme foi planejado para ser o filme de animação mais longo já feito até agora e, bom, não procurei informações sobre o enredo porque não quis tomar spoilers (e acho que vocês também não gostariam), mas vindo do Shinkai, vale a ansiedade.


Anúncios

9 respostas em “Makoto Shinkai, o novo Hayao Miyazaki ou…?

  1. Vi alguns filmes dele, sendo esses: She and Her Cat, Voices of a Distant Star e 5 Centimeters per Second.
    Acho ele um ótimo diretor, mas novo Miyazaki? LOLNOT

    Mas bom post eim, e esse título…vai chamar bastante atenção. lol

  2. Ainda não tinha ouvido falar do Makoto (mereço morrer por isso?). Mas, vou procurar os filmes. Agora essa de comparar …Bem, o Hayao Miyazaki já tem um sucessor: é o seu filho,o Goro (aliás, saiu o último filme dirigido por ele,Kokuriko-Zaka Kara. Recebeu elogios da crítica. E essa fã aqui está se descabelando porque ainda não assistiu..).

    Enfim,ótimo post.Claro que valeu a espera 😉

  3. Saudações

    O texto ficou ótimo, realmente.
    Makoto Shinkai é alguém que merece, verdadeiramente, muito respeito.

    [Byousoku 5 Centimeter] é, em minha humilde opinião, a sua obra mais conceitual e de grande impacto. A segunda parte (lê-se: história) é a que eu mais gostei, disparadamente.

    Anne, parabéns pelo presente texto.

    Até mais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s